- Hoje é
 
 
Home | Quem somos
Actividades
Contactos | Destaques | Recursos  | Documentos | Visitas | Links | Busca
 
 
Deus é Amor!          Aquele que ama conhece a Deus!               Aquele que ama permanece em Deus!          
 :: O dom da Vida
 :: Namoro
 :: Preparar o casamento: CPM
 :: Celebrar o matrimónio
 :: Crescer em família
 :: Rezar em família
 :: Catequese em família
 :: A educação dos filhos
 :: Aconselhamento Familiar
 :: Planeamento familiar natural
 :: Como posso ajudar?
 :: Movimentos Pastoral Familiar
 :: Boletins Informativos

ACTIVIDADES
 
Jornadas Nacionais da Pastoral Familiar
23 e 24 de Outubro de 2004
Fátima
A Comissão Episcopal da Família e o Secretariado Nacional da Família organizou mais umas Jornadas da Família. Decorreu nos dias 23 e 24 de Outubro, em Fátima (Centro Paulo VI), e abordou o tema genérico “Os Meios de Comunicação Social geram uma nova cultura. E a Família?”

Procurou-se fornecer dados sobre a nova cultura, em grande parte produzida e modelada pelos Meios de Comunicação Social, com peritos sobre o assunto, e aprofundar a reflexão sobre o papel insubstituível que a Família deve ter na educação para a gestão desses novos Meios de Comunicação Social e, em última análise, na produção de uma outra cultura que integre os MCS’s mas com novos elementos, valores e critérios.

Lembramos, a este propósito, a recente Mensagem do Papa para o Dia Mundial das Comunicações Sociais: “Os Meios de Comunicação Social e a Família: uma riqueza e um risco”, onde a temática era já abordada.

Nas jornadas participaram o Dr. Carlos Aguiar, da Associação de Famílias de Braga, que introduziu uma reflexão sobre a nova cultura produzida e veiculada pelos meios de comunicação social, e o Dr. Joaquim Franco, jornalista, que conduziu um painel sobre a Comunicação social, o seu impacto nas novas gerações, e os intervenientes na educação familiar e escolar, para a gestão do uso desses mesmos meios de comunicação.

Estas Jornadas inserem-se numa já longa tradição, da Comissão Episcopal da Família, de permitir aos agentes de pastoral familiar um espaço de encontro, reflexão e partilha, que ajude a criar vínculos de compromisso e de acção dos mesmos, no actual contexto sócio-cultural em Portugal e no mundo.


A comunicação social ao serviço da promoção do homem

As jornadas foram “um repto lançado à família para reflectir e repensar o seu lugar na mediação insubstituível que deve ter em relação aos meios de Comunicação Social” – disse à Agência ECCLESIA o Pe. Pedro Nuno, secretário da Comissão Episcopal da Família.

Nesta actividade, organizada pela Comissão Episcopal da Família e o Secretariado Nacional da Família, os participantes sublinharam que “os meios de Comunicação Social não podem ser demonizados”. E acentua: “devem ser factores de diálogo e contacto entre pessoas” – mencionou o Pe. Pedro Nuno. Como a família é agente e “produtora de cultura”, ela deve ganhar cada vez mais protagonismo. Um papel “mais activo em relação aos meios de comunicação social”.


Quando se pensava que a Comunicação Social tinha o “papel absoluto da mediação”, chegou-se à conclusão que “não basta esta mediação” mas “é preciso que a própria família sirva de mediadora sobretudo em relação aos mais novos” – realçou o Secretário da Comissão Episcopal da Família. E apela: “a televisão e a Internet não podem ser apenas meios de entretenimento ou passatempo”. A valorização destes meios “é fundamental” porque “devem estar ao serviço da promoção humana”.

 
©Copyright - Secretariado Diocesano da Pastoral da Família, 2004