- Hoje é
 
 
Home | Quem somos | actividades | Contactos  
Destaques
Recursos  | Documentos | Visitas | Links | Busca
 
 
Deus é Amor!          Aquele que ama conhece a Deus!               Aquele que ama permanece em Deus!          
 :: O dom da Vida
 :: Namoro
 :: Preparar o casamento: CPM
 :: Celebrar o matrimónio
 :: Crescer em família
 :: Rezar em família
 :: Catequese em família
 :: A educação dos filhos
 :: Aconselhamento Familiar
 :: Planeamento familiar natural
 :: Como posso ajudar?
 :: Movimentos Pastoral Familiar
 :: Boletins Informativos
 
SEMANA DA VIDA
 
Semana da Vida 2018: Eutanásia, o que está em jogo?

Cartaz  -  Folheto  -  Pagela  -  Nota Pastoral  -  Perguntas e respostas

Eutanásia

Declaração sobre a eutanásia
Academia Pontifícia para a Vida, 27/2/1999

Declaração conjunta das religiões sobre a eutanásia

Deixem-me morrer com dignidade
Pe Miguel Almeida sj

Razões para dizer NÃO!
Henrique Raposo
A contra-informação no debate sobre a eutanásia
Entrevista ao director do Secretariado Nacional do Apostolado dos Leigos e Família
Os riscos da ausência de critérios bem definidos
Prof Theo A. Boer
A eutanásia é um retrocesso civilizacional
José Maria Seabra Duque - Federação Portuguesa pela Vida
Eutanásia - o que está em causa?
Apresentação baseada na nota da CEP


De 13 a 20 de Maio vai celebrou-se de novo a Semana da Vida com o tema "Eutanásia, o que está em jogo?".

A Conferência Episcopal Portuguesa emitiu uma nota pastoral e um documento com perguntas e respostas que vale a pena ler e divulgar.

Durante esta semana acontecerão nas diversas dioceses e comunidades inúmeras iniciativas para realçar o valor de cada vida humana, desde a concepção até à morte natural.

O Evangelho da vida está no centro da mensagem de Jesus. Cada vida humana tem um valor sagrado porque cada ser humano é imagem e semelhança de Deus. Não é algo, é alguém. Desde o início e até ao fim. Só a pessoa humana é chamada à plenitude da vida que consiste justamente na participação da própria vida de Deus.

Portanto, desde o início até ao fim, a vida humana é diferente das outras realidades. João Paulo II afirma na sua Encíclica "Evangelho da Vida": "só Deus é o Senhor da vida, desde o princípio até ao fim: ninguém, em circunstância alguma, pode reivindicar o direito de destruir directamente um ser humano inocente".

Toda a Igreja tem como missão anunciar este Evangelho da vida ao mundo inteiro. Anúncio que se tornou urgente, sobretudo face aos contínuos ataques dirigidos à vida das pessoas e dos povos, especialmente dos mais frágeis e indefesos.

Já o Concílio Vaticano II na Gaudium et Spes alertava: "Tudo quanto se opõe à vida, como seja toda a espécie de homicídio, genocídio, aborto, eutanásia e suicídio voluntário; tudo o que viola a integridade da pessoa humana, como as mutilações, os tormentos corporais e mentais e as tentativas para violentar as próprias consciências; tudo quanto ofende a dignidade da pessoa humana, como as condições de vida infra-humanas, as prisões arbitrárias, as deportações, a escravidão, a prostituição, o comércio de mulheres e jovens; e também as condições degradantes de trabalho, em que os operários são tratados como meros instrumentos de lucro e não como pessoas livres e responsáveis. Todas essas coisas e outras semelhantes são infamantes e ofendem gravemente a honra devida ao Criador".

A Semana da Vida nasceu em 1991 por iniciativa de João Paulo II. Ao encerrar o Sínodo sobre a Europa, o Papa pediu que, em todos os países do mundo, a Igreja promovesse em cada ano a celebração de um Dia ou de uma Semana da Vida. Na sua encíclica "Evangelho da Vida", publicada em 1995, reforçou este pedido ao propor uma celebração com o objectivo de «suscitar nas consciências, nas famílias, na Igreja e na sociedade, o reconhecimento do sentido e valor da vida humana em todos os seus momentos e condições, concentrando a atenção de modo especial na gravidade do aborto e da eutanásia, sem contudo menosprezar os outros momentos e aspectos da vid» (EV 85). A Conferência Episcopal Portuguesa, em plena sintonia com o Papa, determinou que anualmente se celebrasse uma Semana da Vida, actualmente promovida pela Comissão Episcopal do Laicado e da Família.

A razão de ser desta insistência está na constatação de que se desenha, na sociedade actual, uma cultura que desvaloriza a vida.

Reparemos na ligeireza com que alguns defendem e promovem o aborto, a eutanásia, a manipulação e destruição de embriões humanos recém-concebidos, lembremos a destruição das condições de habitabilidade no nosso planeta, recordemos o modo irresponsável como tantos conduzem nas nossas estradas, consideremos a generalização do recurso às drogas, constatemos o recurso à guerra como se fosse "solução" única para os conflitos, não esqueçamos a insensibilidade perante a fome e as doenças que devastam zonas imensas do nosso planeta. São muitas as situações que nos fazem reconhecer que estamos confrontados com uma "cultura da morte".

E, no entanto, todos somos chamados a «cuidar da vida toda e da vida de todos», isto é «cuidar do outro enquanto pessoa confiada por Deus à nossa responsabilidade» (EV 87).

Promovemos a vida em todos os seus momentos: os «mais simbólicos da existência como são o nascer e o morrer» (EV 18), mas também a vida de todos os dias, «através da ajuda prestada ao faminto, ao sedento, ao estrangeiro, ao nu, ao doente, ao encarcerado...» (EV 87).

 

Recursos

Pagela

pdf

Cartaz

pdf

Folheto

pdf

Evangelium vitae texto


 

 

TEMAS DOS ANOS ANTERIORES


2013 – Dá mais Vida! (12 a 19 de Maio de 2013)

2012 – Comprometidos com a Vida (13 a 20 de Maio de 2012)

2011 – Escolhe a Vida e Viverás (15 a 22 de Maio de 2011)

2010 – A Vida é sempre um bem (9 a 16 de Maio de 2010)

2009 - Vida com Valores formação na Família (10 a 17 de Maio de 2009)

2008 - Vida com Esperança (11 a 18 de Maio)

2007 - Felicidade humana – preocupação de Deus (13 a 20 de Maio)

2006 - Família – amor e vida (14 a 21 de Maio)

2005 - Respeita o outro, diz não à violência (15 a 22 de Maio)

2004 - Sem filhos não há futuro (16 a 23 de Maio)

 

 

 

©Copyright - Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar, 2004