- Hoje é
 
 
   Home | Quem somos | Actividades | Contactos | Destaques | Recursos
Documentos
Visitas | Links | Busca
 
 
Deus é Amor!          Aquele que ama conhece a Deus!               Aquele que ama permanece em Deus!          
 :: O dom da Vida
 :: Namoro
 :: Preparar o casamento: CPM
 :: Celebrar o matrimónio
 :: Crescer em família
 :: Rezar em família
 :: Catequese em família
 :: A educação dos filhos
 :: Aconselhamento Familiar
 :: Planeamento familiar natural
 :: Como posso ajudar?
 :: Movimentos Pastoral Familiar
 :: Boletins Informativos
 
NOTÍCIAS
 
Bento XVI expõe os princípios
que não são negociáveis para a Igreja na vida pública

Zenit, 30 de Março de 2006
Discurso aos participantes de um congresso promovido
pelo Partido Popular Europeu

Não se pode esquecer que, quando as Igrejas ou as comunidades eclesiais intervêm no debate público, expressando reservas ou recordando princípios, não estão manifestando formas de intolerância ou de interferência, pois estas intervenções buscam unicamente iluminar as consciências, para que as pessoas possam agir livremente e com responsabilidade, segundo as autênticas exigências da justiça, ainda que isto possa entrar em conflito com situações de poder e de interesse pessoal.

Na medida em que afecta a Igreja Católica, o interesse principal de suas intervenções na vida pública centra-se na protecção e promoção da dignidade da pessoa, e por isso presta particular atenção a princípios que não são negociáveis.

Entre estes, hoje emergem claramente os seguintes:

- protecção da vida em todas as suas fases, desde o primeiro momento de sua concepção até sua morte natural;

- reconhecimento e promoção da estrutura natural da família, como uma união entre um homem e uma mulher baseada no matrimónio, e sua defesa perante intenções de fazer que seja juridicamente equivalente a formas radicalmente diferentes de união que na realidade a ferem e contribuem para a sua desestabilização, obscurecendo o seu carácter particular e o seu papel social insubstituível;

- a protecção do direito dos pais a educar seus filhos.

Estes princípios não são verdades de fé, ainda que fiquem iluminados e confirmados pela fé: estão inscritos na natureza humana, e, portanto, são comuns a toda a humanidade. A acção da Igreja na sua promoção não é, portanto, de carácter confessional, mas dirige-se a todas as pessoas, independentemente de sua afiliação religiosa.

Pelo contrário, esta acção é ainda mais necessária na medida em que estes princípios são negados ou mal entendidos, pois deste modo comete-se uma ofensa à verdade da pessoa humana, um grave dano provocado à própria justiça.

Queridos amigos, exortando-vos a serem testemunhas credíveis e consequentes destas verdades fundamentais com vossa actividade política, e de forma ainda mais fundamental com vosso compromisso de vida autêntica e coerente, invoco sobre vós e o vosso trabalho a contínua assistência de Deus, em prenda da qual envio a vós e aos que vos acompanham minha bênção.

 

 

 

©Copyright - Secretariado Diocesano da Pastoral da Família, 2004