- Hoje é
 
 
           Home | Quem somos | Actividades |Contactos
Destaques
Recursos | Documentos | Busca | Visitas | Links
 
 
Deus é Amor!          Aquele que ama conhece a Deus!               Aquele que ama permanece em Deus!          
 :: O dom da Vida
 :: Namoro
 :: Preparar o casamento: CPM
 :: Celebrar o matrimónio
 :: Crescer em família
 :: Rezar em família
 :: Catequese em família
 :: A educação dos filhos
 :: Aconselhamento Familiar
 :: Planeamento familiar natural
 :: Como posso ajudar?
 :: Movimentos Pastoral Familiar
 :: Boletins Informativos


"A família, formadora nos valores
humanos e cristãos"

PONTIFÍCIO CONSELHO PARA A FAMÍLIA

CATEQUESES PREPARATÓRIAS
PARA O VI ENCONTRO MUNDIAL DAS FAMÍLIAS

(México, 16-18 de Janeiro de 2009) 

 


TEMAS

  1. A família, primeira educadora da fé
  2. A família, educadora da verdade do homem
  3. A família, educadora da dignidade e respeito de cada pessoa humana
  4. A família, transmissora das virtudes e valores humanos
  5. A família, aberta a Deus e ao próximo
  6. A família, formadora da recta consciência moral
  7. A família, primeira experiência da Igreja
  8. Colaboradores da família: a paróquia e a escola
  9. A família e o modelo da família de Nazaré
  10. A família, destinatária e agente da nova evangelização


ESTRUTURA DE CADA ENCONTRO

  1. Canto inicial
  2. Oração do Pai Nosso
  3. Leitura bíblica
  4. Leitura do Ensinamento da Igreja
  5. Reflexão do que dirige
  6. Diálogo
  7. Compromissos
  8. Oração comunitária
  9. Oração pela família
  10. Canto final

 
Primeira Catequese:

A família, primeira educadora da fé 

  1. Canto inicial

  2. Oração do Pai Nosso

  3. Leitura bíblica: Act 16, 22-34

  4. Leitura do Ensinamento da Igreja

1. Deus quer que todos os homens conheçam e aceitem o Seu plano de salvação, revelado e realizado em Cristo (cf. 1 Tim 1, 15-16). Deus falou de muitas formas aos nossos pais (cf. Heb 1, 1; todo o AT). Ao chegar a plenitude dos tempos (cf Gl 4, 4) falou-nos de modo pleno e definitivo em e por Cristo (cf Heb 1, 2-4): o Pai não tem “outra” Palavra para nos dar, porque nos deu a “única e a última” em Cristo (cf Jo 1, 1ss).

2. A Igreja recebeu o mandato de anunciar a todos os homens esta grande notícia: «Ide, portanto, e fazei discípulos fr todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo» (Mt 28, 19). Os Apóstolos assim o entenderam e realizaram desde o dia de Pentecostes, enchendo Jerusalém (Act cap. 1-5) e todo o mundo então conhecido (Livro dos Actos e Epístolas) com o anúncio de Cristo Morto e Ressuscitado para a nossa salvação.

3. A família cristã, Igreja doméstica, participa desta missão. Além disso, a família tem como primeiros e principais destinatários deste anúncio missionário os seus filhos e familiares, como o atestam as Cartas Pastorais paulinas e a tradição posterior. Os esposos santos e os pais cristãos de todos os tempos assim o viveram (pai de santa Teresa de Jesus, pai de santa Teresinha; tantos pais de hoje). À luz da feliz experiência da Igreja nas sociedades cristãs da Europa (quando a família realizou esta missão educadora com seus filhos) e à luz também das gravíssimas repercussões negativas que hoje se constatam (pelo abandono ou descuido desta missão), é preciso que a família volte a ser a primeira educadora da fé nestas nações – hoje já não cristãs de facto – nas quais se está fortalecendo a fé e nas quais se está implantando a Igreja. O principal apostolado missionário dos pais deve realizar-se na sua própria família, pois seria uma desordem e um anti-testemunho pretender evangelizar a outros, descuidando a evangelização dos nossos. Os pais transmitem a fé aos seus filhos com o testemunho da sua vida cristã e com a sua palavra.

4. O núcleo central desta educação na fé é “o anúncio gozoso e vibrante de Cristo, Morto e Ressuscitado por nossos pecados”. Em íntima conexão com este núcleo encontram-se as outras verdades contidas no Credo dos Apóstolos, nos sacramentos e nos mandamentos do decálogo. As virtudes humanas e cristãs fazem parte da educação integral da fé. (Hoje em dia não se pode quase nunca pressupor esta bagagem fundamental, nem sequer nos países chamados “cristãos” e nos casos em que os pais pedem os sacramentos de iniciação para os seus filhos, dada a grande ignorância religiosa e a escassa prática religiosa dos pais).

  1. Reflexão do que dirige

  2. Diálogo

  3. Compromissos

  4. Oração comunitária

  5. Oração pela família

  6. Canto final


Segunda Catequese:

A família, educadora da verdade do homem: o matrimónio e a família

  1. Canto inicial

  2. Oração do Pai Nosso

  3. Leitura bíblica: Gn 1, 26-28

  4. Leitura do Ensinamento da Igreja

1. A principal questão que a família de hoje deve encarar na educação cristã dos seus filhos não é religiosa mas, principalmente, antropológica: o relativismo radical ético-filosófico, segundo o qual não existe uma verdade objectiva sobre o homem e, por conseguinte, tampouco sobre o matrimónio e sobre a família. A mesma diferença sexual, manifestada na biologia do homem e da mulher, não se fundamentaria na natureza, mas seria um simples produto cultural, que cada um pode mudar. Com isso se nega e destrói mesmo a possibilidade do matrimónio e da família.

2. O relativismo afirma também que Deus não existe ou que não é possível conhecê-lo (ateísmo ou agnosticismo religioso), e tampouco existem normas éticas e valores permanentes. As únicas verdades são as que dimanam das maiorias parlamentares.

3. Diante desta realidade tão radical e condicionante, a família tem hoje a inevitável tarefa de transmitir aos seus filhos a verdade sobre o homem. Como já ocorreu nos primeiros séculos, hoje é de capital importância conhecer e compreender a primeira página do Génesis: existe um Deus pessoal e bom, que criou o homem e a mulher com igual dignidade, mas diferentes e complementares entre si, e deu-lhes a missão de gerar filhos, mediante a união indissolúvel de ambos em una caro, ou seja numa só carne (matrimónio). Os textos narram a criação do homem, evidenciando que o casal homem-mulher são – segundo o desígnio de Deus – a primeira expressão da comunhão de pessoas, pois Eva é criada semelhante a Adão como aquela que, na sua alteridade, o completa (cf. Gn 2, 18) para formar com ele uma só carne (cf. Gn 2, 24). Ao mesmo tempo, ambos têm a missão procriadora que os faz colaboradores do Criador (cf. Gn 1, 28).

4. Esta verdade sobre o homem e sobre o matrimónio pode ser, e tem sido, conhecida também pela recta razão humana. De facto, todas as culturas reconheceram nos seus costumes e leis que o matrimónio consiste só na comunhão de homem e mulher, mesmo que às vezes tenham conhecido e admitdo a poligamia ou a poliginia. As uniões de pessoas do mesmo género foram consideradas sempre alheias ao que é o matrimónio.

5. São Paulo descreveu tudo isso com traços muito vigorosos na sua carta aos Romanos, ao descrever a situação do paganismo na sua época e a desordem moral em que havia caído por não querer reconhecer com a vida o Deus que havia conhecido com a razão (cf. Rm 1, 18-32). Esta página do Novo Testamento deve ser bem conhecida hoje pela família, para que não edifique a sua acção educadora sobre areia movediça. O desconhecimento de Deus leva também ao ofuscamento da verdade sobre o homem.

6. Os Padres da Igreja oferecem doutrina abundante e são um bom exemplo no modo de proceder, pois tiveram que explicar detalhadamente a existência de um Deus Criador e Providente, que criou o mundo, o homem e o matrimónio, como realidades boas; e tiveram de combater as desordens morais do paganismo que causavam dano ao matrimónio e à família.

  1. Reflexão do que dirige

  2. Diálogo

  3. Compromissos

  4. Oração comunitária

  5. Oração pela família

  6. Canto final

 


Terceira Catequese:

A família, educadora da dignidade e respeito de cada pessoa

  1. Canto inicial
  2. Oração do Pai Nosso
  3. Leitura bíblica: Jo 9, 1-11
  4. Leitura do Ensinamento da Igreja

1. A Igreja vê no homem, em cada homem, a imagem viva do próprio Deus; imagem que encontra – e está chamada a descobrir cada vez mais profundamente – a sua plena razão de ser no mistério de Cristo. Cristo nos revela Deus em sua verdade; mas, ao mesmo tempo, manifesta também o homem aos homens. Este homem recebeu de Deus uma incomparável e inalienável dignidade, pois foi criado à Sua imagem e semelhança e destinado a ser filho adoptivo. Cristo, com a Sua encarnação uniu-se, de alguma maneira, com todo homem.

2. Por ter sido feito à imagem de Deus, o ser humano tem a dignidade de pessoa: não é só alguma coisa, mas alguém. É capaz de conhecer-se, de dar-se livremente e de entrar em comunhão com outras pessoas. Esta relação com Deus pode ser ignorada, esquecida ou removida, mas jamais pode ser eliminada, porque a pessoa humana é um ser pessoal criado por Deus para relacionar-se e viver com Ele.

3. O homem e a mulher têm a mesma dignidade porque ambos são imagem de Deus e porque, além disso, se realizam profundamente reencontrando-se como pessoas através do dom sincero de si mesmos. A mulher é complemento do homem assim como o homem o é da mulher. Mulher e homem se complementam mutuamente, não só desde o ponto de vista físico e psíquico, mas também ontológico, pois só graças à dualidade do “masculino” e “feminino” se realiza plenamente “o humano”. É a “unidade dos dois” a que permite a cada um experimentar a relação inter-pessoal e recíproca. Alem disso, é só a esta “unidade dos dois” que Deus confia a obra da procriação e a vida humana.

4. Toda a criação foi feita para o homem. Mas o homem foi criado e amado por si mesmo. O homem existe como um ser único. É um ser inteligente e consciente, capaz de reflectir sobre si mesmo e, por tanto, de ter consciência de si e dos seus actos.

5. A dignidade da pessoa humana – de cada pessoa humana – não depende de nenhuma instância humana, mas do seu próprio ser, criado à imagem e semelhança de Deus. Ninguém, portanto, pode maltratar essa dignidade sem cometer uma gravíssima violação da ordem querida pelo Criador. Portanto, uma sociedade justa só pode realizar-se no respeito da dignidade transcendente da pessoa humana.

6. As pessoas com deficiências, apesar das suas limitações e dos sofrimentos gravados em seus corpos e faculdades, continuam sendo sujeitos plenamente humanos, titulares de direitos e deveres, que ninguém pode transgredir nem discriminar.

7. Os não nascidos são também pessoas desde o mesmo momento da sua concepção; e a sua vida não pode ser destruída pelo aborto ou pela experimentação científica. Destruir a vida de um não-nascido, que é completamente inocente, é um acto de suprema violência e de gravíssima responsabilidade diante de Deus.

  1. Reflexão do que dirige
  2. Diálogo
  3. Compromissos
  4. Oração comunitária
  5. Oração pela família
  6. Canto final

 


Quarta Catequese:

A família, transmissora dos valores e virtudes humanas

  1. Canto inicial
  2. Oração do Pai Nosso
  3. Leitura bíblica; Jo 1, 43-51
  4. Leitura do Ensinamento da igreja

1. A família, nascida da íntima comunhão de vida e de amor conjugal fundada sobre o matrimónio entre um homem e uma mulher, é o lugar primeiro das relações interpessoais, o fundamento da vida das pessoas e o protótipo de toda a organização social. Este berço de vida e de amor é o lugar apropriado para o homem nascer e crescer, receber as primeiras noções da verdade e do bem, aprender o que quer dizer amar e ser amado e, por conseguinte, o que quer dizer ser pessoa. A família é a comunidade natural onde se tem a primeira experiência e a primeira aprendizagem da sociabilidade humana, pois nela não só se descobre a relação pessoal entre o “eu” e o “tu”, mas também se dá o passo para o “nós”. A entrega recíproca do homem e da mulher unidos em matrimónio, cria um ambiente de vida no qual a criança pode desenvolver as suas potencialidades, tomar consciência da sua dignidade e preparar-se para afrontar o seu destino único. Neste clima de afecto natural que une os membros da comunidade familiar, cada pessoa é reconhecida e responsabilizada na sua singularidade.

2. A família educa o homem segundo todas as suas dimensões rumo à plenitude da sua dignidade. É o âmbito mais apropriado para o ensinamento e transmissão dos valores culturais, éticos, sociais, espirituais e religiosos, que são essenciais para o desenvolvimento e bem-estar tanto dos seus próprios membros como da sociedade. De fato, é a primeira escola das virtudes sociais, de que todos os povos necessitam. A família contribui para que as pessoas desenvolvam alguns valores fundamentais que são imprescindíveis à formação de cidadãos livres, honestos e responsáveis, por exemplo, a verdade, a justiça, a solidariedade, a ajuda ao débil, o amor aos outros por si mesmos, a tolerância, etc.

3. A família é a melhor escola para criar relações comunitárias e fraternas, frente às actuais tendências individualistas. De fato, o amor – que é a alma da família em todas as suas dimensões – só é possível se houver entrega sincera de si mesmo aos outros. Amar significa dar e receber o que não se pode comprar nem vender mas só presentear livre e reciprocamente. Graças ao amor, cada membro da família é reconhecido, aceite e respeitado na sua dignidade. Do amor nascem relações vividas como entrega gratuita, e surgem relações desinteressadas e de solidariedade profunda. Como a experiência o demonstra, a família constrói cada dia uma rede de relações interpessoais e prepara para viver em sociedade num clima de respeito, justiça e verdadeiro diálogo.

4. A família ajuda a descobrir o valor social dos bens que se possuem. Uma mesa, na que todos compartilham os mesmos alimentos, adaptados à saúde e à idade dos membros é um exemplo, simples mas muito eficaz, para descobrir o sentido social dos bens criados. A criança vai incorporando assim critérios e atitudes que o ajudarão depois nesta outra família mais ampla que é a sociedade.

  1. Reflexão do que dirige
  2. Diálogo
  3. Compromissos
  4. Oração comunitária
  5. Oração pela família
  6. Canto final

 


Quinta Catequese:

A família, aberta a Deus e ao próximo

  1. Canto de entrada
  2. Oração do Pai Nosso
  3. Leitura bíblica: Ef 5, 25-33
  4. Leitura do Ensinamento da Igreja

1. O homem está feito à imagem e semelhança de Deus, para viver e conviver com Ele. Nem o ateísmo, nem o agnosticismo, nem a indiferença religiosa são situações naturais do homem e tampouco podem ser situações definitivas para uma sociedade. Como homens estamos ligados essencialmente a Deus, tal como uma casa está ligada ao arquitecto que a construiu. As dolorosas consequências dos nossos pecados podem obscurecer este horizonte, mas cedo ou tarde sentimos a falta da casa e do amor do Pai do Céu. Acontece connosco o que aconteceu com o filho pródigo da parábola: não deixou de ser filho quando foi embora da casa do seu pai e, por isso, apesar de todos os seus extravios, terminou sentindo um desejo irresistível de voltar. De fato, todos os homens sentem sempre a nostalgia de Deus e têm a mesma experiência de santo Agostinho, mesmo que não sejam capazes de expressá-la com a mesma força e beleza com que ele o fez: “Fizeste-nos, Senhor, para Vós, e o nosso coração anda inquieto enquanto não descansar em Vós”.

2. Consciente desta realidade, a família cristã situa Deus no horizonte da vida dos seus filhos desde os primeiros momentos da sua existência consciente. É um ambiente que eles respiram e assimilam. Isto os ajuda a descobrir e acolher Deus, Jesus Cristo, o Espírito Santo e a Igreja. Com plena coerência, já desde o primeiro momento do seu nascimento, os pais pedem à Igreja o Baptismo para eles e os levam com entusiasmo para receber as águas baptismais. Depois os acompanham na preparação para a Primeira Comunhão e para a Confirmação e os inscrevem na catequese paroquial e buscam para eles o Colégio que melhor os educará na religião católica.

3. No entanto, a verdadeira educação cristã dos filhos não se limita a incluir Deus entre as coisas importantes da vida dos filhos, mas também situa Deus no centro dessa vida, de forma que todas as outras actividades e realidades (a inteligência, o sentimento, a liberdade, o trabalho, o descanso, a dor, a doença, as alegrias, os bens materiais, a cultura, em uma palavra: tudo) estejam modeladas e regidas pelo amor a Deus. Os filhos têm que habituar-se a pensar antes de cada acção ou omissão: “o que Deus quer que eu faça ou deixe de fazer agora?” Jesus Cristo confirmou a fé e a convicção dos fiéis da Antiga Aliança, sobre o que eles consideravam “o grande mandamento”, quando respondeu ao doutor da lei que “o primeiro mandamento é este: amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma, e com todas as tuas forças”.

4. Esta educação na centralidade do amor a Deus é realizada pelos pais sobretudo através das realidades da vida diária: rezando em família nas refeições, estimulando nos filhos a gratidão a Deus pelos dons recebidos, recorrendo a Ele nos momentos de dor em qualquer uma das suas formas, participando na missa dominical com eles, acompanhando-os para receber o sacramento da Reconciliação, etc.

5. A pergunta do doutor da Lei só incluía “qual é o primeiro mandamento”. Mas Jesus, ao responder-lhe, acrescentou: o segundo, semelhante a este é: “amarás o próximo como a ti mesmo”. O amor ao próximo, portanto, é “o seu mandamento” e “o distintivo” dos seus discípulos. Como concluía são João com fina psicologia: “Se não amamos o próximo a quem vemos, como vamos amar a Deus, a quem não vemos?”

6. Os pais devem ajudar os filhos a descobrir o próximo, especialmente o necessitado, e a realizar pequenos mas constantes serviços: compartilhar com os seus irmãos os brinquedos e presentes, ajudar os que são mais novos, dar esmola ao pobre na rua, visitar os familiares enfermos, acompanhar os avós e prestar-lhes pequenos serviços, aceitar as pessoas fazendo-os deixar de lado e perdoar as pequenas limitações e ofensas de cada dia, etc. Estas coisas, repetidas uma e outra vez, configuram a mentalidade e criam hábitos bons; para enfrentar a vida com a predisposição adquirida do amor aos outros, e fazê-los assim capazes de criar uma sociedade nova.

  1. Reflexão do que dirige
  2. Diálogo
  3. Compromissos
  4. Oração comunitária
  5. Oração pela família
  6. Canto final

 


Sexta Catequese:

A família, formadora da recta consciência moral

  1. Canto de entrada
  2. Oração do Pai Nosso
  3. Leitura bíblica: Ef 6, 1-17
  4. Leitura da doutrina da Igreja

1. O homem actual está cada vez mais persuadido de que a dignidade e vocação da pessoa humana requer que, guiado pela luz da sua inteligência, descubra os valores inscritos na sua natureza, os desenvolva sem cessar e os realize na sua vida, conseguindo assim um progresso cada vez maior. No entanto, nos seus juízos sobre os valores morais, quer dizer, sobre o que é bom ou mau e, por isso, sobre o que deve fazer ou omitir, não pode proceder segundo o seu arbítrio pessoal. O homem, no mais profundo da sua consciência, descobre a presença de uma lei que ele não dita a si mesmo e à qual deve obedecer. Esta lei foi escrita por Deus no seu coração, de modo que, além de aperfeiçoar-se com ela como pessoa, será de acordo com esta lei que Deus o julgará pessoalmente.

2. Por conseguinte, não existe verdadeira promoção da dignidade do homem a não ser no respeito da ordem essencial da sua natureza. Certamente, mudaram e continuarão mudando muitas condições concretas e muitas necessidades da vida humana. No entanto, toda evolução dos costumes e todo género de vida devem manter-se dentro dos limites impostos pelos princípios imutáveis fundados sobre os elementos constitutivos e sobre as relações essenciais da vida humana; elementos e relações que se encontram além das contingências históricas.

3. Estes princípios fundamentais, compreensíveis pela razão, estão contidos na lei divina, eterna, objectiva e universal, pela que Deus ordena, dirige e governa o mundo e os caminhos da comunidade humana segundo o desígnio de Sua sabedoria e amor. Deus faz o homem participar desta Sua lei, de modo que o homem possa conhecer mais e mais a verdade imutável. Além disso, Cristo instituiu a sua Igreja como coluna e fundamento da verdade e lhe deu a assistência permanente do Espírito Santo para que conserve, sem erro, as verdades de ordem moral e interprete autenticamente não só a lei positiva revelada mas também os princípios morais que brotam da mesma natureza humana e que dizem respeito ao desenvolvimento e perfeição do homem.

4. Muitos são hoje os que sustentam que a norma das acções humanas particulares não se encontra nem na natureza humana, nem na lei revelada, mas que a única lei absoluta e imutável é o respeito à dignidade humana. Ainda mais, o relativismo filosófico e moral nega que exista alguma verdade objectiva, tanto no plano do ser como no do actuar ético. Cada um teria a sua verdade, dado que cada um interpreta as coisas e as condutas segundo a sua própria inteligência e consciência. A convivência obrigaria a uma verdade admitida por todos, em virtude de um consenso que nos faça possível viver em paz. Este é o fundamento das leis que saem dos Parlamentos democráticos. A Igreja não teria nada que dizer e se o faz irrompe num terreno que não lhe corresponderia e tornar-se-ia perigosa do ponto de vista democrático.

5. As consequências são funestas para a pessoa, para a família e para a sociedade. Assim se explica a justificação do aborto como um direito da mulher, as tentativas de legalizar a eutanásia, o controle artificial dos nascimentos, as leis cada vez mais permissivas do divórcio, as relações extraconjugais, ...

6. A família cristã tem o grandíssimo desafio de formar na verdade e na rectidão a consciência moral dos seus filhos, respeitando escrupulosamente a sua dignidade e liberdade, de modo que os ajude a formar uma consciência recta sobre as grandes questões da vida humana: a adoração e respeito por Deus Criador e Salvador, o amor aos pais, o respeito à vida, ao próprio corpo e ao dos outros, o respeito aos bens materiais e a honra do próximo, a fraternidade entre todos os homens, o destino universal dos bens da criação, a não discriminação por motivos religiosos, sociais ou económicos, etc. Pontos firmes deste ensino são os preceitos do Decálogo e as Bem-aventuranças.

7. Os pais devem educar hoje a seus filhos com confiança e valentia nestes valores essenciais, começando pelo mais radical de todos: a existência da verdade e a necessidade de procurá-la e segui-la para se realizarem como homens. Outros valores chave hoje são o amor à justiça e a educação sexual clara e delicada que leve a uma valorização pessoal do corpo e a superar a mentalidade e a moda que o reduz a objecto de prazer egoísta.

8. Condição fundamental desta educação é criar nos filhos amor e a sintonia com a Igreja e, mais em particular, com o Papa, os bispos e os sacerdotes; para que vejam neles a preocupação de uma boa mãe que os ama e só deseja ajudá-los a viver de modo recto e digno neste mundo e gozar da contemplação de Deus na Glória.

  1. Reflexão do que dirige
  2. Diálogo
  3. Compromissos
  4. Oração comunitária
  5. Oração pela família
  6. Canto final

 


Sétima Catequese:

A família, primeira experiência de Igreja

  1. Canto inicial
  2. Oração do Pai Nosso
  3. Leitura da Bíblia: Actos 2, 36-47
  4. Leitura do Ensinamento da Igreja

1. A Igreja, Povo de Deus, Corpo Místico de Cristo e Templo do Espírito é sinal e instrumento universal de salvação pelo tríplice ministério da evangelização, da celebração e da vivência da caridade. Graças ao ministério evangelizador, a Igreja proclama a grande Boa Nova de que «Deus quer que todos os homens se salvem» e que para isso enviou o seu Filho Único ao mundo. Pelo ministério dos sacramentos da iniciação, incorpora novos membros, os robustece e os alimenta; através dos sacramentos de cura, os sara dos seus pecados e os alivia na enfermidade; pelos sacramentos da Ordem e do Matrimónio assegura cuidado eficaz de si mesma e da sociedade. Pela vivência da caridade, constrói a fraternidade dos filhos de Deus e faz-se fermento da sociedade humana.

2. A família é a primeira experiência de Igreja que recebe uma pessoa, pois nela a pessoa recebe uma primeira e elementar iniciação à fé, recebe os sacramentos mais importantes e tem a primeira experiência da caridade.

3. De fato, nascendo, os pais levam seus filhos para serem baptizados e se comprometem a educá-los para que possam receber a Primeira Comunhão e a Confirmação, iniciando-os assim no mistério de Cristo e da Igreja. Quando já têm a capacidade de entender algo, ensinam-lhes as primeiras orações, abençoam os alimentos com eles, usam sinais religiosos, e iniciam-nos nos primeiros passos do amor à Virgem Santíssima. Quando já são capazes de compreender, lêem com eles a Palavra de Deus e explicam-na de uma maneira singela e acessível. No momento de assumir as responsabilidades de sua vocação pessoal: matrimonial, sacerdotal, religiosa, ou celibatária no meio do mundo, estão com eles. Desde o momento do seu nascimento, mostram-lhes um imenso carinho e uma constante dedicação, sobretudo, quando estão doentes ou têm alguma má formação ou deficiência física e/ou psíquica.

4. Uma experiência particularmente intensa de Igreja em família acontece quando pais e filhos participam na Missa do domingo. Nela, ao reunir-se com outras famílias e outros irmãos na fé, escutam a Palavra de Deus, rezam pelas necessidades de todos os necessitados e alimentam-se de Cristo imolado por nós. A fé cresce e se desenvolve com estas experiências tão bonitas que dão sentido à vida ordinária e infundem paz no coração.

5. Em família também se vivem experiências especiais da Igreja na sua dimensão apostólica em alguns momentos particulares: o Dia da Santa Infância,  a Campanha da Fome, a ajuda aos países subdesenvolvidos ou afectados por terramotos, ciclones, grandes acidentes, etc.

  1. Reflexão do que dirige
  2. Diálogo
  3. Compromissos
  4. Oração comunitária
  5. Oração pela família
  6. Canto final

 


Oitava Catequese

Colaboradores da família: a paróquia e a escola 

  1. Canto de entrada
  2. Oração do Pai Nosso
  3. Leitura da Bíblia: Lc 6, 6-11
  4. Leitura do Ensinamento da Igreja

 1. A educação cristã procura, certamente, a maturidade da pessoa humana, mas busca, sobretudo, que os baptizados se tornem cada dia mais conscientes do dom da fé que receberam; aprendam a adorar a Deus Pai em espírito e em verdade (cf. Jo 4, 23), sobretudo, na acção litúrgica; se formem para viver segundo o homem novo na verdadeira justiça e santidade (cf. Ef 4, 22-23) e assim cheguem ao homem perfeito na medida da plenitude de Cristo (cf. Ef 4, 13) e contribuam para o crescimento do Corpo Místico; se acostumem a dar testemunho da esperança que há neles (cf. 1Pe 3, 15) e contribuam eficazmente à configuração cristã do mundo (cf. Gravissimum educationis, 2).

2. Os pais, ao dar a vida a seus filhos, assumem a grave obrigação de os educar e, ao mesmo tempo, recebem o direito de ser os seus primeiros e principais educadores. A eles corresponde, portanto, formar um ambiente familiar animado pelo amor e pela piedade com Deus e com os homens, que favoreça a educação integral dos filhos. Por isso, a família é, como já se disse nas catequeses anteriores, a primeira escola das virtudes sociais que todas as sociedades necessitam, o espaço onde os filhos aprendem desde os primeiros anos a conhecer e adorar a Deus e amar ao próximo, o âmbito onde se tem a primeira experiência da sociedade humana e da Igreja, e o meio mais eficaz para introduzir os filhos na sociedade civil e no Povo de Deus. A transcendência da família cristã é, pois, realmente extraordinária para a vida e o progresso da Igreja; tanto que, quando falta, é muito difícil supri-la.

3. Mas a família não deve contar apenas consigo mesma para realizar a sua missão. Necessita da ajuda do Estado. É obrigação da sociedade civil tutelar os direitos e deveres dos pais e dos que intervêm na educação, colaborar com eles, completar – quando não é suficiente o esforço dos pais e de outras sociedades - a obra da educação segundo o princípio da subsidiariedade, atendendo aos desejos dos pais, e criar escolas e institutos próprios conforme o exija o bem comum. O Estado, portanto, antes que ser antagonista ou entrar em conflito com os pais, deve ser o seu melhor aliado e colaborador, contribuindo em tudo, e só no que os pais não podem contribuir, e fazendo-o na direcção que indiquem os pais. Esta colaboração leal e eficaz implica também os professores de todos os centros de educação, sejam privados ou públicos. Desta colaboração sairão beneficiados os filhos, em primeiro lugar; mas também a sociedade e a escola, porque esses filhos serão amanhã melhores cidadãos e muitos deles farão verdadeiras contribuições ao progresso da escola.

4. A família também necessita da paróquia. Os pais, de facto, realizam a educação na fé, sobretudo, pelo testemunho da sua vida cristã, especialmente pela experiência de amor incondicional com que amam os filhos e pelo amor profundo que têm entre si; o qual é um sinal vivo do amor de Deus Pai. Além disso, segundo a sua capacidade, estão chamados a dar uma instrução religiosa, geralmente de carácter ocasional e não sistemático, a qual levam a bom termo descobrindo a presença do mistério de Cristo Salvador do mundo nos acontecimentos da vida familiar, nas festas do ano litúrgico, nas actividades que os meninos realizam na escola, na paróquia e nos agrupamentos, etc. Entretanto, necessita da ajuda da paróquia, porque a vida de fé vai amadurecendo nos filhos na medida em que se vão incorporando, de uma maneira consciente, na vida concreta do Povo de Deus, o que acontece sobretudo na paróquia. É aí onde o menino e o adolescente, primeiro, e depois o adulto, celebra e se alimenta com os sacramentos, participa da Liturgia e se integra numa comunidade dinâmica de caridade e apostolado. Por isso, a paróquia tem de ficar sempre ao serviço dos pais – não ao contrário -, especialmente nos sacramentos de Iniciação cristã.

5. Família, escola e paróquia são três realidades que ficam integradas e unidas pela educação que devem receber os filhos. Quanto maior seja a mútua colaboração e intercâmbio, e mais afectuosas sejam as relações, mais eficaz será a educação dos filhos.

  1. Reflexão do que dirige
  2. Diálogo
  3. Compromissos
  4. Oração comunitária
  5. Oração pela família
  6. Canto final

 


Nona Catequese

 A família e o modelo de Nazaré

  1. Canto de entrada
  2. Oração do Pai Nosso
  3. Leitura da Bíblia: Lc 2, 41-52
  4. Leitura do Ensinamento da Igreja

1. As notícias que nos transmitem os Evangelhos sobre a família de Nazaré são escassas, mas muito ilustrativas.

2. É uma família constituída sobre a base do matrimónio entre José e Maria. Eles estiveram realmente casados, como assinalam são Mateus e são Lucas; e viveram assim até o falecimento de José. Jesus foi filho verdadeiro de Maria. São José não foi o pai natural – porque não o gerou - nem adoptivo, mas suposto, quer dizer: considerado pelos vizinhos de Nazaré como pai de Jesus, uma vez que as pessoas ignoravam o mistério da Encarnação e porque são José estava casado com Maria. Esta realidade tem hoje grande importância, devido às legislações civis e à cultura ambiental, tão favoráveis à uniões de fato, à uniões meramente civis, a outras formas de uniões, ao divórcio, etc. A família de Nazaré apresenta-se hoje como exemplo de casal formado por um homem e uma mulher, unidos por amor de uma forma permanente e com uma dimensão pública.

3. A família de Nazaré viveu como mais uma família desse povo. Quer dizer, de uma maneira singela, humilde, pobre, trabalhadora, amante das tradições culturais e religiosas da sua nação, profundamente religiosa e afastada dos centros de poder religioso e civil. Um viajante que visitasse Nazaré e desconhecesse os factos que nós conhecemos, não encontraria nenhum detalhe que distinguisse a Sagrada Família do resto das famílias: nem na casa que usavam, nem no modo de vestir, nem na comida, nem na participação dos actos religiosos que se celebravam na sinagoga, nem em nada. Deus nos quis revelar que a vida quotidiana é o lugar onde Ele nos espera para que O amemos e realizemos o Seu projecto para nós. O segredo é viver «essa» vida com o mesmo amor e perseverança que a sagrada Família.

4. Os Evangelhos não elucidam a profissão que exerceu são José: ferreiro, carpinteiro, artesão, ... Por outro lado, assinalam claramente que era um trabalhador manual e que ganhava a vida trabalhando. Maria se dedicava, como todas as mulheres casadas, a moer e cozer o pão de cada dia, atender os trabalhos domésticos do lar e fazer pequenos serviços aos outros. De Jesus não dizem nada, mas deixam entender que ajudava Maria e, mais tarde, são José nos seus trabalhos manuais. A família de Nazaré viveu o que hoje chamamos «o evangelho do trabalho»; quer dizer: o trabalho como realidade maravilhosa que nos faz participar na obra criadora de Deus, que serve para tocar o barco da própria família e ajudar a outros, e para se santificar e santificar por meio dele. Também nisto é um modelo perfeito para a família actual. Muitas continuam vivendo de modo semelhante apesar do trabalho da mulher fora do lar e da tecnificação das tarefas domésticas .

5. A família de Nazaré era uma família israelita profundamente crente e praticante. Como faziam o resto das famílias piedosas, rezavam sempre em cada refeição, iam todas as semanas escutar a leitura e a explicação do Antigo Testamento na sinagoga, subiam a Jerusalém para celebrar as festas de peregrinação, como a da Páscoa e o Pentecostes, rezavam três vezes por dia o famoso «Escuta, ó Israel». A bênção da mesa na hora das comidas, a participação semanal na missa do domingo e a leitura da Sagrada Escritura continuam sendo fundamentais para que a família cristã realize a sua missão educadora.

6. A família de Nazaré vivia tudo centrada em Deus: Deus era tudo para ela. Quando ainda noivos, José confiou em Deus, quando lhe foi revelado por meio do anjo que a gravidez de Maria era obra do Espírito Santo. Casados, Maria e José tiveram que ouvir do filho, que acabavam de encontrar, depois de dias de angustiosa busca, estas palavras: «por que me buscavam? Não sabiam que devo ocupar-me das coisas de meu Pai?» Eles não o entenderam, mas o aceitaram e tentaram encontrar o seu sentido. Maria, por outro lado, não tropeçou na fé quando viu seu filho cravado na cruz como um criminoso e derrotado pelos chefes do povo. A família cristã, cuja vida é sempre um quadro de luzes e sombras, encontra a paz e a alegria quando sabe ver a Deus nisso também, ainda que não consiga compreendê-lo.

  1. Reflexão do que dirige
  2. Diálogo
  3. Compromissos
  4. Oração comunitária
  5. Oração pela família
  6. Canto final

 


Décima Catequese

A família, destinatária e agente da nova evangelização  

  1. Canto de entrada
  2. Oração do Pai Nosso
  3. Leitura da Bíblia: Actos 18, 23-28
  4. Leitura do Ensinamento da Igreja

1. «A futura evangelização depende em grande medida da Igreja doméstica» (Discurso de João Paulo II à III Assembléia geral dos bispos da América Latina, 1979). Mais ainda, «a família é o coração da Nova Evangelização» (Evangelium Vitae, 92). A história da Igreja o confirma desde as suas origens. Um caso típico é o de santo Agostinho, convertido pela graça de Deus implorada com as lágrimas abundantes de sua mãe, Santa Mônica. A família realiza a «sua missão de anunciar o evangelho, principalmente por meio da educação dos filhos» (EV 92).

2. A missão evangelizadora da família está enraizada no Baptismo e recebe uma nova forma com a graça sacramental do matrimónio.

3. A tarefa evangelizadora da família cristã é especialmente necessária e urgente nos lugares onde uma legislação anti-religiosa pretende inclusive impedir a educação na fé, ou onde cresceu a incredulidade ou penetrou o secularismo até o ponto de tornar virtualmente impossível uma verdadeira fé religiosa. Essa geografia se encontra principalmente nos países comunistas e ex-comunistas e nos países do assim chamado primeiro mundo. A Igreja doméstica é o único âmbito onde os meninos e os jovens podem receber uma autêntica catequese sobre as verdades mais fundamentais.

4. A família tem um modo específico de evangelizar, feito não de grandes discursos ou lições teóricas, mas mediante o amor quotidiano, a simplicidade, a concreção e o testemunho diário. Com esta pedagogia transmite os valores mais importantes do Evangelho. Mediante este método, a fé penetra como por osmose, de uma maneira tão imperceptível mas tão real, que inclusive converte a família no primeiro e melhor seminário de vocações ao sacerdócio, à vida consagrada e ao celibato no meio do mundo.

5. O serviço dos cônjuges e pais cristãos a favor do Evangelho é essencialmente um serviço eclesiástico. Quer dizer, está enraizado e derivado da única missão da Igreja e está orientado à edificação do Corpo de Cristo. Por isso, o ministério de evangelização da família tem que estar em comunhão e harmonizar-se responsavelmente com os serviços de evangelização e catequese da diocese e da paróquia.

6. Este carácter eclesiástico requer que a missão evangelizadora da família cristã possua uma dimensão missionária e católica, em plena conformidade com o mandato universal de Cristo: «Ide pelo mundo inteiro e pregai o Evangelho a toda criatura» (Mc 16, 15) Por isso, até é possível que alguns pais sintam a urgência de levar o Evangelho de Cristo «aos confins da terra», como ocorreu nas primeiras comunidades cristãs. De qualquer modo, dentro do mesmo âmbito familiar deve se realizar uma actividade missionária, anunciando o Evangelho aos familiares não crentes e afastados ou em relação às famílias que não vivem com coerência o matrimónio.

7. A família cristã se torna comunidade evangelizadora na medida em que acolhe o Evangelho e o amadurece na fé. «Como a Igreja, a família deve ser um espaço onde o Evangelho é transmitido e onde este se irradia. Dentro, pois, de uma família consciente desta missão, todos os membros que evangelizam são evangelizados. Os pais não só comunicam aos filhos o Evangelho, mas ao mesmo tempo, recebem deles este Evangelho profundamente vivido...Uma família assim se faz evangelizadora de outras famílias e do ambiente no qual vive» (EM 71).

  1. Reflexão do que dirige
  2. Diálogo
  3. Compromissos
  4. Oração comunitária
  5. Oração pela família
  6. Canto final

 

Fontes:

- Vaticano II: Constituições Lumen gentium e Gaudium et Spes; declaração Gravissimum educationis
- Paulo VI: Humanae vitae
- João Paulo II:
Familiaris consortio; Gratissimam sane; Evangelium Vitae
- Bento XVI:
Vários discursos alusivos à família
-
Catecismo da Igreja Católica
-
Compêndio da Doutrina Social da Igreja

 

 
©Copyright - Secretariado Diocesano da Pastoral da Família, 2004